WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
nova mrv

PMVC

FTC



safernet br
novo horizonte

aky veiculos

natanael falar e arte

Ministra promete que Suriname protegerá brasileiros no país

do G1

Jane Aarland entrou em contato com o Itamaraty na noite de sábado (26). Onda de violência deixou feridos e destruiu vila que abrigava brasileiros.

Brasileiros e chineses foram abrigados em área do exército do Suriname após os ataques ocorridos em Albina

A ministra interina de negócios estrangeiros do Suriname, Jane Aarland, garantiu ao ministério das Relações Exteriores do Brasil que seu país fará todos os esforços necessários para garantir a integridade física e a segurança dos brasileiros que vivem no Suriname. Aarland conversou na noite deste sábado (26) com o secretário-geral do Itamaraty, Antonio Patriota.

Segundo o Itamaraty, a ministra conversou com Patriota por telefone e garantiu que o governo do Suriname vai trabalhar para evitar ataques a brasileiros. Na véspera da noite de Natal, dia 24, um conflito entre surinameses e brasileiros na cidade de Albina, no nordeste daquele país, destrui uma vila onde viviam estrangeiros. O Itamaraty não confirma ainda a morte de brasileiros no conflito, mas um padre que está na região reportou o falecimento de sete pessoas, sendo três brasileiros.

O embaixador brasileiro no Suriname, José Luiz Machado e Costa, saiu de Paramaribo nesta manhã rumo à região do conflito. Ele está acompanhado de Robby Ramlakhan, número três da diplomacia surinamesa.

A cônsul brasileira na Guiana Francesa, Ana Lélia Beltrame, esteve em Saint-Laurente, cidade vizinha a Albina, do outro lado da fronteira. Segundo o Itamaraty, Ana Lélia encontrou nove brasileiros feridos durante o conflito no principal hospital da cidade. Todos eles não correm risco de morte, de acordo com o ministério.

Brasileiros são socorridos e transportados de helicóptero para hospital após ataque em albina, no Suriname

Entre os sobreviventes encontrados pela cônsul brasileira está uma mulher que estava grávida de três meses e perdeu a criança. Segundo o relato, a mulher não apresentava ferimentos na barriga e os agressores poderiam não saber de seu estado.

Outros dois diplomatas brasileiros estão a caminho de Paramaribo. Eles devem chegar à capital do Suriname ainda nesta tarde para ajudar na situação.

Apesar dos relatos de testemunhas que falam que os ataques deixaram mortos, a Embaixada do Brasil não tem nenhum registro oficial de vítimas brasileiras. O G1 entrou em contato com a embaixada, que vai aguardar a confirmação das autoridades a respeito de vítimas para poder fornecer qualquer informação a familiares de brasileiros no país.

Leia também no VCN:
error: Você não tem permissão para copiar conteúdo ou visualizar a fonte.