WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
nova mrv

PMVC

Embasa

FTC



safernet br
diamantina

fainor

novo horizonte

aky veiculos

natanael tocoto

Modelo presa com crack diz que queria tentar carreira em São Paulo

do G1

Mãe de dois filhos, Agnolha fez seu primeiro book há 9 meses, na Paraíba. Segundo a polícia, ela trabalha há um mês como garota de programa.

Presa na noite de segunda-feira (1º), quando chegava na rodoviária do Rio, Agnolha Lúcio da Silva, de 24 anos, contou que queria tentar a carreira de modelo em São Paulo, quando saiu da Paraíba aceitando transportar um material ‘desconhecido’. O que a polícia encontrou com ela foi uma pedra de 1 kg de crack em estado bruto.

“Aceitei por necessidade. Não sabia o que era, não abri a bolsa. Me falaram que eram remédios que não eram vendidos em farmácia. Mas tratei com as pessoas por telefone, não sei quem são”, afirmou ela, na Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos (Drae), a poucos quilômetros de onde foi presa.

Maquiagem e escova

Antes de ser apresentada pela polícia, enquanto a imprensa a aguardava, Agnolha se arrumava no banheiro. Depois de 15 minutos, ela chegou maquiada e com cabelos escovados.

“Antes eu não trabalhava. Me separei há um ano e fiz umas fotos há nove meses para uma agência lá”, disse ela, mãe de um filho de 8 e uma menina de 6 anos. Sem ainda ter feito sequer uma campanha publicitária, ela afirmou ainda que acreditava que poderia tentar carreira no eixo Rio-São Paulo.

Garota de programa

Segundo as investigações, que começaram há três meses, ela teria vindo para a Região Sudeste a mando de um homem preso na Paraíba. De lá, ela teria seguido de ônibus para São Paulo, onde pegara a droga que trazia para o Rio.

De acordo com a polícia, ela estava trabalhando há um mês como garota de programa em São Paulo. Questionada sobre o assunto, no entanto, Agnolha abaixa a cabeça em silêncio. Não nega nem confirma.

“Começamos as investigações há três meses na tentativa de inibir a entrada de armas e drogas no Rio. Essa quantidade de droga custa cerca de R$ 15 mil da maneira como foi encontrada e pode render até R$ 50 mil no varejo”, explica a delegada Márcia Becker, responsável pelas investigações.

Leia também no VCN:
error: Você não tem permissão para copiar conteúdo ou visualizar a fonte.