WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
pmvc abring

ftc uniftc





safernet br
tivic

fainor

aky veiculos

natanael tocoto

‘Ele entrou em surto psicótico’, diz pai de suspeito de matar Glauco

do G1

Carlos Grecchi Nunes afirma que rapaz desenvolveu esquizofrenia. Rapaz falou em depoimento que acabou ‘com a própria vida’.

O pai do principal suspeito de matar cartunista Glauco Villas Boas, de 53 anos, e seu filho Raoni, de 25 anos, afirmou em entrevista exclusiva ao repórter Alan Severiano que acredita que o estudante Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, “entrou em surto psicótico”. A entrevista completa foi ao ar na edição do Jornal Nacional desta quarta-feira (17).

“Ele está desenvolvendo esquizofrenia, da mesma forma, inclusive na mesma idade, que a mãe dele”, afirmou Carlos Grecchi Nunes. “Da mesma forma que a mãe, tem uma tia. Ele teria uma tia-avó que também tem o mesmo problema”, acrescentou o pai do rapaz.

Em depoimento ao delegado que cuida do caso, na sede da Polícia Federal em Foz do Iguaçu, no Paraná, na tarde de terça-feira (16), Cadu confessou o crime e afirmou que acabou “com a própria vida” ao cometer os assassinatos.

Cadu contou que comprou a arma usada no crime e munição na periferia de São Paulo. O plano inicial era sequestrar o cartunista – que também era líder da igreja Céu de Maria – e levá-lo até sua mãe.

Ainda de acordo com o delegado, o suspeito disse que, para ele, Glauco era um representante de São Pedro. O cartunista também deveria dizer para a mãe do rapaz que seu filho era Jesus Cristo.

O rapaz também inocentou o amigo Felipe Iasi, de 23 anos, responsável por levá-lo até a chácara. Em entrevista exclusiva ao repórter César Tralli, Iasi afirmou que foi obrigado a dirigir. “Eu estava sob a mira de uma arma. Não sabia onde eu estava, o que estava acontecendo, o que ele queria ali.”

Segundo Cadu, a decisão de matar Glauco e Raoni foi tomada quando ele se descuidou e Iasi fugiu da chácara. Nesse momento, o suspeito achou que a polícia seria chamada, atrapalharia os planos e ele seria morto.

Fuga

Carlos Eduardo está preso desde a tentativa de cruzar a fronteira entre o Brasil e o Paraguai. Na fuga em um carro que foi roubado na Vila Sônia, em São Paulo, ele resistiu à abordagem da Polícia Rodoviária Federal. Uma hora depois, atirou em um policial federal que tentou pará-lo na Ponte da Amizade.

Comentários

comments

Leia também no VCN: