WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
mrv 2

pmvc

SECOM aeroporto vca

bahiatursa

diamantina toyota

novo horizonte

fainor

feiradorolodeconquista

natanael falar e arte

Bebê baiano consegue inclusão em cadastro para ser operado em SP

Rede Bahia | G1

Ele nasceu há um mês com lado esquerdo do coração menor do que direito. Cauê pode ser transferido a qualquer momento.

O bebê de um mês, que nasceu com uma doença rara no coração, conseguiu ter seu nome incluso no Cadastro Nacional de Regulação para Alta Complexidade (CNRAC), de acordo com a Sesab (Secretaria da Saúde do Estado da Bahia).

Cauê precisa com urgência fazer uma cirurgia que só pode ser realizada em São Paulo. Ele nasceu com a síndrome de hipoplasia do coração esquerdo. O lado esquerdo do coração dele é menor que o direito, o que impede que o sangue seja bombeado para o restante do corpo.

Cauê nasceu no Hospital Português, em Salvador, e assim que teve o problema detectado foi solicitada a transferência dele para o Hospital Santa Izabel, que também fica na capital baiana. O bebê só foi transferido para a unidade de saúde na terça-feira (30), mas o hospital não tem estrutura para a cirurgia.


A médica que cuida do bebê conseguiu uma autorização para fazer o procedimento no Hospital da Beneficência Portuguesa, em São Paulo, e a Secretaria Estadual da Saúde da Bahia cedeu uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) aérea. Mas como o plano do menino não cobre a cirurgia em outro estado, ele precisaria ter o nome incluído no CNRAC, e fazer o procedimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Nesta sexta-feira (02) Cauê foi mantido sedado na UTI do Hospital Santa Izabel. De acordo com a Sesab, a diretora da Central de Regulação, Vicenza Lorusso, já falou com a direção da Beneficência Portuguesa em São Paulo. O hospital diz que nesse momento não há vagas, mas que a qualquer momento, inclusive nesta sexta, o bebê pode ser levado para São Paulo para fazer a cirurgia.

“Há 30 dias a gente está preparado, com mala pronta, só para levar nosso filho, a gente só quer que ele chegue com vida e saia com vida após a cirurgia. Ainda é possível esperar pela viagem, mas a cada dia que passa ele tem menos chance de sobrevivência”, desabafa a mãe da criança.

Comentários

comments

Leia também no VCN:
error: Você não tem permissão para copiar conteúdo ou visualizar a fonte.