WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
pmvc

mrv

ftc

diamantina toyota

novo horizonte

fainor

Cui Bono: Justiça negou busca em apartamento de Lúcio Vieira Lima, irmão de Geddel

Operação da Polícia Federal, nesta sexta-feira (13), teve como principal alvo o ex-ministro Geddel Vieira Lima. Investigações se iniciaram a partir de dados colhidos no celular de Eduardo Cunha, ex-deputado cassado e preso.

fonte_blogdomarcelo| Redação.BDM

O juiz Vallisney de Souza Oliveira negou o pedido feito pela Polícia Federal para que fosse feita uma ação de busca e apreensão na residência funcional de Lúcio Vieira Lima, deputado federal (PMDB-BA).

Policiais deixam prédio com maletas nas mãos (Foto: Rafael Teles/G1)Ele é irmão de Geddel Vieira Lima e candidato a vice-presidente da Câmara dos Deputados.

No despacho que autorizou a operação Cui Bono, Vallisney autoriza os pedidos de busca em todos os endereços citados pela PF “com exceção do endereço apontado como residência funcional do deputado Lúcio Vieira Lima, em razão de sua prerrogativa de foro, considerando inclusive que Geddel Vieira Lima não ocupa mais cargo público federal em Brasília”.Não há no despacho qualquer outra menção a eventual envolvimento de Lúcio Vieira Lima no esquema.

Geddel e Cunha pediam propina para liberar crédito da caixa

Relatório da Polícia Federal aponta que o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) atuava “em prévio e harmônico ajuste” com o ex-presidente da Câmara, deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para facilitar a liberação de empréstimos da Caixa Econômica Federal a empresas e, em troca, receber propina.

Geddel, ex-ministro da Secretaria de Governo de Michel Temer, foi alvo de operação nesta sexta-feira (13), deflagrada para apurar um esquema de fraudes na liberação de créditos junto à Caixa entre 2011 e 2013. Ele foi vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa no período investigado pela PF. No despacho que autorizou a operação, o juiz Vallisney de Souza Oliveira cita o relatório da PF e a atuação de cada um dos investigados. Além da liberação de créditos da Caixa, as investigações apontam que os dois peemedebistas forneciam informações privilegiadas às empresas e aos outros integrantes do que o Ministério Público Federal chama de “quadrilha”.

“Consta dos autos que, valendo-se do cargo de Vice-Presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, [Geddel Vieira Lima] agia internamente, em prévio e harmônico ajuste com Eduardo Cunha e outros, para beneficiar empresas com liberações de créditos dentro de sua área de alçada e fornecia informações privilegiadas […] para que, com isso, pudessem obter vantagens indevidas junto às empresas beneficiárias dos créditos liberados pela instituição financeira”, diz o documento. O G1 entrou em contato com a assessoria de Geddel Vieira Lima e aguardava uma resposta até a última atualização desta reportagem.

A defesa de Eduardo Cunha informou que não teve acesso até o momento à investigação, mas disse que, desde já, “rechaça veementemente as suspeitas divulgadas. Tão logo tenha acesso à investigação, irá se pronunciar especificamente sobre cada acusação”. De acordo com o juiz, a Polícia Federal aponta que o “grupo criminoso” era formado, além de Geddel e Cunha, pelo ex-vice-presidente da Caixa e delator da Operação Lava Jato Fábio Ferreira Cleto e pelo doleiro Lúcio Funaro, que está preso e é réu na Lava Jato. Ainda de acordo com o relatório da PF e do MPF, entre as empresas beneficiárias de empréstimos da Caixa na área de Geddel Vieira Lima estão a BR Vias, Oeste Sul Empreendimentos Imobiliários, Marfrig, J&F Investimentos, Grupo Bertin e JBS.

“Os elementos de prova colhidos até o presente momento apontam para a existência de uma organização criminosa integrada por empresários brasileiros e agentes públicos que, ocupando altos cargos na Caixa Econômica Federal e no parlamento brasileiro, desviavam de forma reiterada recursos públicos a fim de beneficiarem a si mesmos, por meio do recebimento de vantagens ilícitas, e a empresas e empresários brasileiros, por meio da liberação de créditos e/ou investimentos autorizados pela Caixa Econômica Federal em favor desses particulares”, afirma o MPF no pedido de busca e apreensão.
Versão dos citados na investigação

O G1 entrou em contato com a assessoria de Geddel Vieira Lima e aguardava uma resposta até a última atualização desta reportagem. A defesa de Eduardo Cunha informou que não teve acesso até o momento à investigação, mas disse que, desde já, “rechaça veementemente as suspeitas divulgadas. Tão logo tenha acesso à investigação, irá se pronunciar especificamente sobre cada acusação”. A defesa de Fábio Cleto afirma que ele é “réu colaborador e está colaborando efetivamente e expontaneamente com a Justiça”. Em comunicado, a JBS informou “que não é alvo da operação da Policia Federal deflagrada nesta sexta-feira (13.01)”. O Grupo Bertin foi adquirido pelo frigorífico JBS em 2009 e seu negócios foram incorporados à empresa.

Em nota, a Marfrig disse que não houve “qualquer busca e apreensão em sua sede”. Em nota, a J&F disse que a relação com a Caixa Econômica Federal e com bancos públicos é feita “sempre de forma profissional e na mesma forma de concorrência e tratamento com instituições privadas – ou seja, relações comerciais transparentes, abertas e legais”. Também disse que tem o “máximo interesse” em esclarecer os fatos. “Tais acusações provocam imensos danos às nossas marcas e reputação”, conclui a nota. A Oeste Sul Empreendimentos Imobiliários disse não ter porta-voz disponível para comentar a questão. Em nota, a Caixa disse que “está em contato permanente com as autoridades, prestando irrestrita colaboração com as investigações”. O G1 aguardava retorno da BR Vias e de Lúcio Funaro até a última atualização desta reportagem. // G1 . Lauro Jardim.

Comentários

comments

Leia também no VCN:
error: Você não tem permissão para copiar conteúdo ou visualizar a fonte.