WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
mrv 2

FTC

diamantina toyota

novo horizonte

fainor

natanael falar e arte

Conquista: Vítimas que denunciaram ginecologista por assédio sexual prestam queixa na DEAM

Alegando “linchamento virtual”, defesa do médico entrou com ação judicial liminar para remover o perfil denunciante do ar.

Duas das 24 mulheres que afirmam ser vítimas de assédio sexual por um médico especializado em ginecologia e obstetrícia em Vitória da Conquista, no Sudoeste do estado, prestaram queixa contra o profissional nessa terça-feira (14), na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam). Nos depoimentos, segundo a delegada titular Dercimária Cardoso Gonçalves, as vítimas relataram que foram assediadas sexualmente pelo médico, no consultório dele, nos anos de 2018 e 2019. Segundo os relatos, o médico acariciava o clitóris das pacientes, para estimulá-los, e ainda fazia elogios às partes íntimas das mulheres.



Elas também relataram que se sentiram incomodadas com “massagens nos seios” por parte do médico, durante o exame clínico. “O que elas relatam são casos de assédio sexual e pode ser enquadrado até como abuso sexual, mas vamos analisar os casos para ver em que crime podemos tipificar os relatos”, disse a delegada. Os casos já tinham sido comunicados para a delegada na segunda-feira (13), durante reunião na Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), onde as 24 mulheres estavam presentes e deram detalhes sobre os supostos assédios, que vinham ocorrendo, segundo elas contaram, há pelo menos seis anos.

Segundo a delegada, muitas delas choraram durante os relatos na OAB e algumas sequer conseguiram expressar o que sentiam, devido ao estado emocional. Havia um clima de indignação também. Além de apoio jurídico, todas as vítimas vão receber assistência psicológica no Centro de Referência Albertina Vasconcelos, pertencente à rede pública de saúde municipal. A delegada está com os dados de todas as pacientes, que confirmaram que irão prestar depoimentos. “O que estamos fazendo agora é agendando com cada uma delas os depoimentos, que são feitos de forma separada. As demais mulheres estarão falando nos próximos dias na delegacia”, explicou a delegada.

Semelhanças

A advogada Andressa Gusmão, membro da Comissão da Mulher Advogada da OAB em Vitória da Conquista e que acompanhou os depoimentos, disse que “o que se percebe é uma semelhança na forma de atuação do médico com relação ao assédio que denota um ‘modus operandi’. Os relatos são muito parecidos”, afirmou. Andressa informou também que outras mulheres, além das 24 que estiveram na reunião na OAB, entraram em contato com a Ordem para relatar que também foram assediadas. Elas manifestaram interesse em prestar queixa contra o médico, que atende a rede pública e privada em Vitória da Conquista.

“São mulheres de outras cidades da Bahia, algumas de Salvador e até de fora do Brasil. Não sei precisar quantas mais, mas elas demonstraram interesse também em realizar a denúncia. Acredito que, devido a esse movimento, muitas vítimas vão tomar coragem e decidir por denunciar”, disse a advogada. Ainda segundo Andressa Gusmão, por enquanto, as vítimas não vão dar entrevista para a imprensa. Ela informou que o Ministério Público da Bahia (MP-BA) já foi oficiado para dar acompanhamento ao caso. Já com relação ao Conselho Regional de Medicina da Bahia (Cremeb), a comunicação sobre os supostos assédios deverá ser realizada pela Polícia Civil. Conselheira Estadual da OAB e integrante da Comissão Estadual de Proteção aos Direitos da Mulher, a advogada Luciana Santos Silva declarou que as supostas vítimas do médico possuem entre 18 e 30 anos. “São coisas graves que relataram. É uma realidade triste que a gente ainda vive num pais patriarcal, machista”, falou. // Correio.

Comentários

comments

Leia também no VCN:
error: Você não tem permissão para copiar conteúdo ou visualizar a fonte.