WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
secom bahia saude

diamantina toyota





safernet br
fainor

aky veiculos

pic pay

natanael falar e arte

Horror: Mãe mata filha de dois anos esfaqueada. “Tenho certeza que está num lugar melhor”, disse

Júlia Félix de Moraes, 2 anos e dois meses, foi esfaqueada duas vezes, entre a região do pescoço e o peito, e não resistiu.

A madrugada desta quinta-feira (13) foi marcada por uma barbárie na região de Vicente Pires, Distrito Federal. Vizinhos escutaram, por volta das 5h, um homem gritando que sua filha tinha sido assassinada. A vítima, Júlia Félix de Moraes, 2 anos e dois meses, foi esfaqueada duas vezes — entre a região do pescoço e o peito — e não resistiu aos ferimentos. A mãe, Laryssa Yasmim Pires de Moraes, 21, acabou presa em flagrante pelo crime. A Polícia Militar foi acionada via Copom.



Quando chegou ao local, uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) estava no apartamento onde ocorreu o homicídio, mas não houve tempo para socorrer a pequena. A mãe, segundo a PM, encontrava-se sentada próximo ao corpo da filha, com a roupa suja de sangue. Quando os policiais perguntaram o que tinha ocorrido, ela disse: “Não sei, não sei, não sei. Matei minha filha!”. E ainda teria emendado: “Tenho certeza que está num lugar melhor”. No local, também estava o pai da criança, Giuvan Félix, 26, que vestia apenas cueca. Ele também estava sujo de sangue. O rapaz contou que estava dormindo em um colchão no chão e acordou com a companheira golpeando seu rosto com uma faca.

Resultado de imagem para Júlia Félix de Moraes

Ele apresentava lesão no rosto e na mão. Disse ainda que não viu o momento em que a companheira esfaqueou a filha, porque estaria dormindo. Quando acordou, também estava sendo atacado por Laryssa. Ele disse ainda que viu a criança no chão do quarto com marcas de sangue e perguntou o que havia ocorrido. Percebeu que a menina ainda estava viva e ligou para o Samu. Revelou também que a mulher estava morando em sua casa há pouco tempo e que, nesta quinta-feira (13/02/2020), iria sair do local. Ela foi encaminhada para a 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro), onde presta depoimento. Na delegacia, Giuvan disse que Laryssa era uma pessoa “difícil de lidar” e que “acordou com a faca na cara dele”. A jovem teria matado a menina após uma crise de ciúmes.

Resultado de imagem para Júlia Félix de Moraes

Chefe da 12ª DP, o delegado Josué Ribeiro da Silva, investiga o possível envolvimento do rapaz no caso. Isso por conta “tranquilidade do homem ao falar com a polícia”. “Ele chegou muito calmo, achei estranho. Apuramos que, ànoite, a criança chorou e ele não acordou, o que é suspeito. Estamos investigando uma possível contradição”, ressaltou. Josué Ribeiro da Silva disse ainda que o casal tinha uma desavença sobre a guarda da criança. Laryssa havia informado para Giuvan que estava reatando um namoro homoafetivo com uma mulher e que iria levar a criança para morar com ela, algo que teria desagradado o rapaz. “Laryssa era festeira, não tinha emprego e usava drogas. Por conta desse comportamento, a mãe a expulsou de casa. Ela foi para a residência do pai da criança. Lá, informou que estava reatando com sua ex-namorada. Giuvan não aceitava que sua filha convivesse com essa situação e avisou que tomaria a guarda da criança, fato que Laryssa não aceitou”, explicou o delegado. Ele teria inclusive procurado a Defensoria Pública para ter Júlia com ele.

Resultado de imagem para Júlia Félix de Moraes

Vizinhos chocados

Uma moradora do prédio que fica em frente ao da família disse não acreditar no que ocorreu. “Eu via a criança brincando na janela, sempre. Ela era linda. Gostava de cantar e brincava por horas. O pai é muito tranquilo. Trabalhador. Não estamos entendendo o que aconteceu”, disse a mulher, que preferiu não se identificar. Maria Gilmaria Sousa Espíndola, 44, é a proprietária do apartamento onde o casal mora. Ela diz que alugava o imóvel para o rapaz havia mais de um ano. “Ele é muito jovem. Gente boa e nunca tivemos reclamações. Ela morava com ele há pouco tempo. Nunca houve reclamações sobre o casal. Era um apartamento muito organizado. Ela vivia com a menina para cima e para baixo. Para a gente do prédio, é assustador. Os vizinhos nunca ouviram barulho e nem presenciaram brigas”, afirmou. // Informe Araguaiano.



Comentários

comments

Leia também no VCN:

Pin It on Pinterest