WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
secom bahia

embasa



camara de vitoria da conquista

hsc

fainor

aky veiculos

natanael a honra do cla

Bahia: Chefe da SSP-BA critica política de repressão e defende “regulamentação das drogas leves”

Na TV Bahia, Ricardo Mandarino defendeu regulamentação e taxação de impostos no comércio de drogas. Dinheiro seria revertido para recuperação de viciados.

O secretário de Segurança Pública (SSP) da Bahia, Ricardo Mandarino, criticou a política de repressão ao tráfico de drogas e defendeu a regulamentação do comércio de entorpecentes leves, durante entrevista veiculada nesta quarta-feira (17), ao Jornal da Manhã, da TV Bahia. Segundo ele, 70% dos crimes que ocorrem no estado estão relacionados ao tráfico, e política que ordena a atuação da polícia com relação a isso é equivocada.



“O que é que a polícia está fazendo? Correndo atrás de traficante, que mata traficante. Mas quando um traficante mata o outro, ele acaba matando pessoas inocentes também. Então, o que o país precisa é pensar em mudar essa politica de combate ao tráfico, que é equivocada, que não daá certo em lugar nenhum do mundo. Essa política repressiva não funciona, custa caro aos cofres públicos, custa vidas de policiais, custa vidas de traficantes, que são pessoa que caíram no tráfico muitas vezes por alguma necessidade – você não pode dizer ‘é traficante, deixa morrer’. Não é isso. são pessoas que podem ser recuperadas -, e custa vida de inocentes”.

O secretário comparou ainda o consumo de drogas com o de cigarros e defendeu a produção de propagandas contra o uso de entorpecentes. “Em 1988, 30% da população brasileira fumava cigarro, e hj são menos de 10%. O Brasil é o país onde menos se fuma no mundo. Houve proibição do cigarro no Brasil? Não. Houve publicidade. Aquelas propagandas que chocam, que tocam as pessoas”, falou Mandarino, que ainda destacou que, caso a mudança não dê resultado, é possível retomar a política atual. “É um teste. Se por acaso não der certo, volta-se a proibir de novo. Do jeito que está é que não funciona. a gente fica repetindo as mesmas práticas, e as mesmas práticas não estão dando certo”, acrescentou. Para ele, o combate ao consumo de drogas deve ser também encarado como problema de saúde.

Resultado de imagem para Ricardo Mandarino

“Quando eu falo de droga, falo de drogas lícitas e ilícitas. Todo mundo gosta de tomar uma bebida, beber uma uísque, uma cerveja, um vinho para relaxar. A mesma coisa é com essas drogas mais leves. Tem pessoas que consomem moderadamente, e tem os alcoólatras, que ficam com cirrose. E o que você faz com o alcoólatra? Você bota no hospital e recupera ele. O que você faria se tivesse uma política de regulamentar o comércio de droga? Não é dizer ‘todo mundo vai fumar onde quiser’, não é nada disso. É fazer o que se faz em países da Europa, em Portugal, na Holanda, no Uruguai: você regulamenta e tributa esse comércio, e você pega esse tributo e desvincula do orçamento geral da União. Pode perfeitamente ir para uma conta específica vinculada, destinada exclusivamente a construir hospitais para recuperar drogados e fazer publicidade contra o uso de drogas”, explicou. O secretário destaca, entretanto, que isso não pode se ruma decisão dele. É preciso uma mudança na legislação do país. “A gente não pode fazer, tomar essa atitude, porque não tem base legal para isso. Isso precisa de uma alteração legislativa, e quem tem competência para isso é o Congresso Nacional”, disse. // G1 Bahia.



Comentários

comments

Leia também no VCN:

Pin It on Pinterest