WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
pmvc

secom agricultura para todos

embasa



camara vc cmvc

fainor

aky veiculos

natanael a honra do cla

Cartão Vermelho: PF deixa Mansão Victory Tower e Jaques Wagner é assunto no Twitter

Residência do ex-governador da Bahia foi alvo de buscas, em operação que investiga susposto superfaturamento nas obras da Arena Fonte Nova.

Por volta das 8h25, desta segunda-feira (26), policiais federais deixaram o edifício Mansão Victory Tower, no Corredor da Vitória, em Salvador. A Polícia Federal deflagrou a Operação Cartão Vermelho, a qual investiga irregularidades na contratação dos serviços de demolição, reconstrução e gestão do estádio Arena Fonte Nova.

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) autorizou o cumprimento de sete mandados de busca e apreensão em órgãos públicos, empresas e endereços residenciais dos envolvidos no esquema criminoso. O objetivo, segundo a PF, é a localização e a apreensão de provas complementares dos desvios nas contratações públicas, do pagamento de propinas e da lavagem de dinheiro. A Fonte Nova teve o contrato de reconstrução e gestão considerado ilegal pelo Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE-BA) em abril de 2016.



Na ocasião, por maioria, os conselheiros apontaram problemas como sobrepreço da ordem de R$ 460 milhões na construção da arena e ausência de diversas informações do projeto básico e de planilhas de custo que ajudassem a quantificar o valor global da obra. O contrato foi firmado entre o governo Jaques Wagner e a Fonte Nova Participações, um consórcio formado pela Odebrecht e OAS, no ano de 2010.

“Bombando” nos TTs

operação Cartão Vermelho deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta segunda-feira (26) contra irregularidades no contrato de construção e gestão do estádio Arena Fonte Nova, em Salvador, levou o nome do ex-governador e secretário estadual do Desenvolvimento Econômico Jaques Wagner (PT) para o segundo lugar entre os assuntos mais comentados na rede social Twitter no Brasil. O petista era o governador da Bahia quando o contrato foi firmado entre a gestão estadual e o consórcio Fonte Nova Participações, formado pela Odebrecht e OAS. Além do nome do ex-governador, visto hoje como plano B para disputar o Palácio do Planalto em caso de impedimento do ex-presidente Lula, estão entre os assuntos do momento o nome da operação ‘Cartão Vermelho’ e o da Arena Fonte Nova.

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) autorizou o cumprimento de sete mandados de busca e apreensão em órgãos públicos, empresas e endereços residenciais dos envolvidos no esquema criminoso. O objetivo, segundo a PF, é a localização e a apreensão de provas complementares dos desvios nas contratações públicas, do pagamento de propinas e da lavagem de dinheiro. Dentre as irregularidades já evidenciadas no inquérito policial estão fraude a licitação, superfaturamento, desvio de verbas públicas, corrupção e lavagem de dinheiro. A obra, segundo laudo pericial, foi superfaturada em valores que, corrigidos, podem chegar a mais de quatrocentos e cinquenta milhões de reais, sendo grande parte desviado para o pagamento de propina e o financiamento de campanhas eleitorais. A assessoria de comunicação do atual secretário de Desenvolvimento Econômico da Bahia foi procurada pela reportagem do BNews, mas ainda não emitiu posicionamento do petista sobre a operação. BNews.

Leia também no VCN:

Pin It on Pinterest